domingo, 18 de julho de 2010

Vida na Fronteira: Está com frio? Tome uma sopa


Com o frio que anda fazendo nos últimos dias, nada melhor do que uma boa sopa para aquecer. Uma boa sugestão é o bufê de sopas que a Oficina do Sorvete está servindo todos os dias, a partir das 19:00 (R$ 14,90 por pessoa).

Se você está pensando por que uma sorveteria está servindo sopas, basta pensar que ninguém vai tomar sorvete com um frio desses. Neste caso, só resta servir sopas mesmo.

Trata-se de um bufê de sopas bastante elaborado, com direito a croissants, canapés e diversos tipos de pães. A surpresa ficou mesmo com a sobremesa, com direito a um mini-fondue de choclate com frutas.

As sopas são variadas e bem quentinhas. O único problema é que ficamos sem saber o que fazer com as tampas das panelas.

Uma boa sugestão para as noites frias de Foz do Iguaçu.





sexta-feira, 9 de julho de 2010

Vida na Fronteira: Vila Portes - guia para iniciantes

A Vila Portes pode ser considerada um Mini-Paraguai, ou até mesmo o equivalente à região da rua 25 de Março em São Paulo. De atmosfera caótica, em um ambiente desorganizado, esta região da cidade é marcada sobretudo pelo comércio.


A principal rua desta área comercial é a Fagundes Varela (na placa está com duas letras "L", mas o nome oficial da rua tem apenas um "L"), onde podemos encontrar desde lojas de artigos populares até lojas de artesanato.



Ao fundo, já podemos ver o Paraguai.

Por estar muito próximo ao nosso ilustre país vizinho, o Paraguai, esta região em um passado não muito distante era dedicada também ao mercado de exportação de produtos brasileiros para o Paraguai. Isso, mesmo, aqui na fronteira também se vende para o Paraguai. Hoje em dia, bem menos, mas ainda assim podemos ver o trânsito incessante de veículos paraguaios, atrás de produtos alimentícios especialmente.





Circulando por este bairro, podemos encontrar:


Loja de Tintas



Loja de Artesanato


Loja de Utilidades Domésticas e Artigos para Restaurantes


Loja de Artigos Plásticos e Utilidades Domésticas



Loja de 1,99 (aqui custa 1,49)


Loja de Embalagens


Loja de Materiais Diversos (artesanato, cordas, panos de limpeza, lonas)


Os preços são bem convidativos. Neste bairro encontra-se de tudo. O ambiente é similar ao do Paraguai, mas muito mais agradável. Se você procura coisas para casa, cozinha e embalagens, a Vila Portes é o lugar mais apropriado.

domingo, 4 de julho de 2010

Outra Vez no Pacova: caras e ralas batatas fritas

Sábado à noite, de volta ao Pacova. Decidimos ir novamente, para ver se havia mudado alguma coisa. Pedimos porção de batatas fritas (R$ 10,00). A surpresa não foi o preço, mas sim a quantidade. Uma porção minúscula, ocupando apenas a metade de um prato igualmente pequeno.

O atendimento foi como na última vez. O primeiro pedido, apesar de demorado foi bem realizado. Quando tentamos pedir mais alguma coisa, desistimos. Os garçons se atrapalharam novamente e decidimos ir à Cachaçaria, com atendimento melhor, preços menores e porções mais generosas.

A porção de batatas fritas do Pacova é totalmente recomendada para quem está de dieta.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Brasil 1 x Holanda 2


Brasil fora da Copa. Alguns poderiam dizer que é a crônica de uma morte anunciada. Porém, mesmo os mais pessimistas tinham esperança de ver o Brasil na final. O silêncio da derrota nos faz pensar: onde falhamos afinal? Nós brasileiros, mais de 200 milhões de técnicos de futebol, jamais imaginaríamos um segundo tempo tão cruelmente apático e desencontrado.


E assim foi mais uma Copa. Talvez muitos destes jogadores jamais saiba o significado do termo "Pátria de Chuteiras". Talvez não saibam quanta tristeza deixaram no coração dos torcedores brasileiros. Voltam para casa, que para a maioria deles já não é o Brasil, para suas vidas luxuosas e confortáveis, deixando para trás a nítida impressão de que poderiam ter jogado melhor.


Senhor técnico, por que não substituir antes? Por que não prever que F. M. iria perder a cabeça bem na hora errada (ora, não é justamente na hora errada que perdemos a cabeça?). Por que insistir em escalar jogadores com visíveis problemas físicos e que agora dizem que não jogaram bem por conta destes problemas?


Novamente, após esta dura derrota, temos algo em que pensar. Talvez na próxima... O brasileiro nunca perde a esperança. Mas hoje, Brasil 1, Holanda 2. Que nossos filhos e netos, ao relembrarem este trágico ano de 2010, lembrem de um tempo que ficou para trás. Um tempo em que havia muito amor ao dinheiro e pouco amor à camisa.